terça-feira, 1 de abril de 2008

Pequena história

"As histórias do futebol mais deliciosas nem sequer se passam nos grandes estádios – é nas competições dos distritais que se ouvem verdadeiras pérolas. Contou-me agora um colega que num jogo entre o Arrifanense e outro clube qualquer (ele não se lembra do nome) um jogador do clube visitante contestou uma decisão mais caseira do árbitro chamando-lhe «filho da puta». Ao ouvir este insulto dirigido ao árbitro, um jogador do Arrifanense não se conteve e atirou-se ao adversário, socando-o e pontapeando-o enquanto gritava: «Ninguém chama puta à minha tia!». Só então se compreendeu que o árbitro do jogo era seu primo."


À porrada para defender o árbitro, Marco Santos (Bitaites, 01.04.2008)