segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Luíz Pacheco (1925-2008)

a última entrevista (excertos):


anónimo (representante da Galeria Perve) - "um gajo muito metediço – chamo-lhe ‘o urubu’"
Andresen, Sophia de Mello Breyner - v. Tavares, Miguel Sousa
Assor, Miriam - "Vocês são capazes de a conhecer, porque ela é um mulherão... (...) era muito simpática."
Balsemão, Francisco Pinto - "o Tio Patinhas"
Cardoso, Miguel Esteves - "do Esteves Cardoso gostava muito. Era um gajo giro (...) Engordou muito, não foi? (...) tinha um nome muito acima do que vale. Não é mau rapaz, mas é um bocado pateta."
Correira, Hélia - "É gira. E um bocado tosca, maluca…"
George, João Pedro - "— É seu amigo? / — Acho que não. (...) Esse gajo tem uma moralidade muito duvidosa."
Guerra, Acácio Gomes - "Acho que fui enrabado."
Isidro, Júlio - "um belíssimo profissional"
José, Herman - "Com o Herman José já não me consigo rir"
Lopes, Pedro Santana - "Bom rapaz, não lhe perdoam por ser um gajo das discotecas e por ter mulheres boas. (...) o putanheiro da 24 de Julho"
Pereira, Ricardo Araújo - "um filho da puta"
Pontes, Dulce - "Ela tem um vozeirão!"
Royal, Arco - "era uma puta que metia medo, ali na Mouraria (...) Já viram o que é um gajo estar a dar uma foda e a gaja a comer uma maçã à dentada? Também, despachei-me logo…"
Saraiva, José Hermano - "eu detestava aquele filho da puta – que é um artista da aldrabice"
Silva, Agostinho da - "também me parecia um bocado aldrabão"
Tavares, Francisco Sousa - v. Tavares, Miguel Sousa
Tavares, Miguel Sousa - "Esse é um estupor. Ele, a mãe [Sophia Andresen] e o pai [Francisco Sousa Tavares]."

etc.