terça-feira, 11 de setembro de 2007

O que mais há

"Mulheres que protegem com mil justificações os vizinhos que batem na mulher. O futebolista que entra de pitons na canela do adversário, arrumando-lhe a carreira. O negro que aceita a cumplicidade do amigo: «Tu nem pareces preto nem cheiras a catinga.» O político homossexual que se deixa cercar de homofóbicos porque isso dá votos na sua área política. O emigrante português na Alemanha que, nas férias de Agosto e em Trás-os-Montes, diz estar farto de tanto ucraniano. O intelectual que ensina e escreve o que quer em Coimbra e defende a ETA, que mata com tiros na nuca intelectuais que queriam também ser livres em San Sebastián. O incréu público que beneficia dos séculos de coragem da gente que pôs a Igreja Católica no seu sítio e apoia o fundamentalismo islâmico porque ele é capaz de pôr a América no seu sítio... Enfim, gente que cospe nos seus. Gente que deveria, mais do que o comum, perceber e não quer perceber. Em Israel, seriam neonazis."


Judeus anti-semitas é o que mais há, Ferreira Fernandes (DN, 11.09.2007)