terça-feira, 3 de abril de 2007

Guerra cultural

300 - Frank Miller / Zack Snyder

Entretanto, e com algum atraso na informação (só vi o filme agora), parece que 300 (de Zack Snyder, a partir da bd de Frank Miller) causou alguma irritação no Irão por conter "imprecisões históricas", e por se tratar, alegadamente, de um "comportamento hostil, que é o resultado de uma guerra cultural e psicológica". O que seria algo como surgir a comunidade de anões, ou melhor, daqueles "vertically challenged" (os americanos têm um modo sublime de serem politicamente correctos), a verbalizar a sua indignação, perante a abjecta mentira de que as mulheres anãs possuem barba, conforme se afirma em O Senhor dos Anéis. Dir-se-á que 300, ao contrário de O Senhor dos Anéis, é baseado em eventos verídicos, e, como tal, passível de ser entendido como uma manipulação grosseira desses mesmos eventos... como se de um filme de Hollywood se tratasse. E, por enorme coincidência, é exactamente disso que se trata. Mas não há que ironizar com as reacções oficial e popular, em países exóticos, a temas que consideramos irrelevantes. Afinal, não foi assim há tantos anos que vimos a RTP censurar um programa humorístico por, aos olhos dos responsáveis, desrespeitar figuras históricas lusas.